[Resenha] Batman – O Filho do Demônio

Como todo bom fã de quadrinhos, Batman é um dos meus personagens preferidos e ler uma história boa, clássica e que mostra, deixando bem claro que é só minha opinião, a verdadeira essência do herói é realmente satisfatório e prazeroso. E dessa vez a grande história que eu li foi Batman – O Filho do Demônio, amada por uns, odiada por outros, para mim tem motivos suficientes para ser considerada uma das melhores já feitas acerca do personagem.

Capa de Batman - O Filho do Demônio

A HQ conta uma história em que Batman, ao se aprofundar em uma investigação de um roubo e de um assassinato, descobre que o mandante dos crimes tem conexões com Ra’s Al Ghul, um de seus principais inimigos. Ra’s tem uma filha, Talia, que está apaixonada por Bruce Wayne e isso leva o milionário ao seu inimigo. A partir desse momento a história se desenrola uma forma extremamente ousada, mas de qualidade inquestionável. O Filho do Demônio é a primeira parte da Trilogia do Demônio e apesar de ter sido publicada na ordem cronológica oficial na época, a DC voltou atrás e anunciou que a trilogia faria parte dos elseworlds (públicados aqui no Brasil como Túnel do Tempo, eram histórias paralelas em universos paralelos, sem nenhuma ligação com o cânone principal).

Sou suspeito pra falar, mas considero essa história uma das melhores e ousadas já feitas com o Batman. Primeiro por ser o que eu considero a personalidade ideal do Batman, permita-me explicar: editoras como a DC tem décadas de publicação de histórias e de tempos em tempos os roteiristas e desenhistas mudam, e o conceito do roteirista sobre o personagem é aplicado nas histórias, ou seja, existem várias personalidades diferentes para cada personagem. Segundo, a ousadia, quando imposta em uma obra de forma incorreta, nos deixa incrédulos, mas aqui temos o total oposto, aqui a ousadia foi muito bem aplicada e administrada pelo roteirista. Quando Bruce Wayne descobre que vai ter um filho com a filha de um dos seus maiores inimigos, a reação é totalmente extrema, chegando a fazer uma parceria com o “sogro” e abandonar a vida de justiceiro para cuidar do bebê e da mulher, tudo acontecendo muito rápido, seguindo o ritmo do pequeno número de páginas que a HQ tem, apenas 88. Para entendermos isso, temos que voltar às origens do Batman, depois da morte dos pais, Bruce não tinha ninguém a quem espelhar, brincar ou qualquer atividade que envolvesse pais e filhos, então é totalmente compreensível que sua atitude ao saber da gravidez de Talia seja extremista, querendo dedicar o resto de sua vida para o filho. O que mais me fascinou nessa história foi como o autor relacionou tudo, eu disse TUDO, à relação “pai e filho”, as motivações de todos os personagens, sejam vilões, sejam mocinhos, tem uma conexão com essa relação, o que deixa a obra mais fantástica.

Quanto a arte, o estilo de Jerry Bingham é bem característico das décadas de 70/80, com um destaque para a anatomia mais realista e o sombreamento feito por hachuras em vez de tonalidades mais escuras. Os desenhos entram em sincronia total com a história, fazendo com que muitas vezes você fique admirando eles antes de virar a página.

Se você gosta de quadrinhos, é quase obrigatório ter essa HQ na estante. Pode não ser muito recomendável para quem está iniciando a leitura de quadrinhos, por não apresentar os personagens, apenas jogá-los na história, mas pra quem já conhece o Cruzado Encapuzado e seu universo, é uma leitura divertida e de qualidade impecável.

A editora Abril havia publicado essa HQ há muitos anos atrás e essa edição está esgotada, mas recentemente a Panini relançou em edição de luxo, com capa dura e papel couché, por menos de R$20,00, então corre e compra!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s